• Márcio de Miranda

Igor Amorelli disputa Mundial de 70.3 na África do Sul, no próximo domingo


Com dois títulos e cinco pódios na temporada, Igor Amorelli compete na África do Sul, no próximo domingo (2) vivendo um dos melhores momentos de sua carreira. O triatleta encara um dos compromissos mais importantes do ano no Ironman 70.3 World Championship, válido como Campeonato Mundial da distância e que será realizado em Port Elizabeth com 1.9 km de natação, 90 km de ciclismo e 21.1 km de corrida.

Localizada na província do Cabo Oriental, Port Elizabeth situa-se às margens da Baía de Algoa e neste final de semana será sede da competição mais importante do ano na distância 70.3, que compreende a metade do percurso de um Ironman. Por lá, mais de 6.000 competidores, amadores e profissionais, disputam o título mundial e Igor Amorelli faz parte do seleto grupo de triatletas de elite.

Já no local, o catarinense aproveitou os primeiros dias na cidade sul-africana para fazer o reconhecimento do percurso e tirar suas primeiras impressões da cidade. - A chegada foi muito boa. Consegui fazer um pedaço de cada percurso e pude notar algumas características do local, como água gelada e bastante vento -, avalia Igor, que também já faz uma projeção sobre o percurso no dia da prova. - A natação deve ser tranquila, sem muitos problemas. No ciclismo é bem possível que vente bastante, além de alguma subidas - , completa.

Reunindo os melhores triatletas do mundo, a competição será a última do calendário de Igor Amorelli antes do Ironman World Championship, em Kona. Tratando-se da etapa mais importante do ano na distância 70.3 a única estratégia possível é fazer força do início ao fim. - É muito difícil fazer uma análise com os melhores reunidos, mas o ideal é sair no primeiro pelotão da natação e fazer um pedal bem forte e entregar a bike na frente. Depois é tentar correr bem -, enfatiza.

Após quatro anos, Igor volta a competir em um Mundial de 70.3. Mesmo classificado nas últimas temporadas, Amorelli não conseguiu comparecer às etapas passadas devido a agenda de treinamentos visando Kona. - Esse ano mudamos algumas coisas e eu consegui me manter em boa forma o ano todo. Depois do Ironman Brasil fique bem fisicamente e consegui treinar muito bem. Esse ano deu para encaixar o Mundial de 70.3 e a prova será ótima para a preparação para o Havaí -, completa Igor, que competiu pela última vez no Ironman 70.3 World Championship em 2014, na edição do Canadá, e tem como seu melhor resultado no evento um 6º lugar em 2010.

O ano de 2018 tem sido muito positivo para Igor Amorelli. Com cinco eventos disputados, o catarinense subiu ao pódio em todos e ainda soma dois títulos na atual temporada. Tudo começou em Bariloche, no mês de março, com o vice-campeonato na etapa de 70.3. Um mês depois, Igor brilharia em Florianópolis, primeiro com o título da etapa inaugural do 70.3 e depois com o vice-campeonato do Ironman Brasil, mesmo enfrentando sérios problemas em sua bicicleta.

Em julho, Igor embarcava para o Equador e de lá trazia o segundo título do ano no 70.3 de Manta. Já no mês passado, no último evento antes dos mundiais, o catarinense somou o 3º lugar no 70.3 de Steelhead, realizado nos Estados Unidos. Agora, o foco está nas duas principais competições do ano, os mundiais de 70.3 e Ironman.

#Ironman703 #Triatlo

cannondale.png
shimano.png
sa bs.png
MFT.png
CIMTB.png
logoLPH.png
SFEST.png
Fran Logo Branco.png