• Márcio de Miranda

Doping no ciclismo profissional aumenta quase 100% em um ano


O movimento por um Ciclismo Limpo (MPCC) divulgou na manhã deste sábado, 18 de janeiro, um estudo alarmante sobre o aumento nos casos de doping no ciclismo profissional em 2019. O Brasil aparece em sétimo lugar com 14 casos no último ano.

Desde a criação do estudo, os números referentes ao ciclismo nunca foram tão ruins. 32 procedimentos foram abertos em 2019 pelas várias federações nacionais, levando em consideração apenas atletas de alto nível. Isso representa 24 casos, se nos limitarmos ao ciclismo de estrada, ou seja, um salto de 118% em relação a 2018, nesta categoria.

Este ano, notamos uma ruptura com o passado recente. Este aumento brutal também é observado no ciclismo para homens, mulheres, na pista e na estrada (considerando tudo). O ciclismo, que nos últimos anos caiu constantemente na hierarquia dos esportes mais citados em casos de doping, caiu de repente do 13º para o 5º lugar no espaço de um ano.

É claro que o ano foi marcado pela Operação Aderlass, que revelou uma rede internacional de doping que afetou vários esportes e ciclismo em particular. Não está excluído que outros nomes sejam revelados em breve e serão adicionados aos 7 casos já conhecidos em nosso esporte (6 homens e 1 mulher). Esta operação policial, realizada em colaboração com investigadores da AMA (Agência Mundial Antidopagem), por si só, não explica a inflação no número de crimes. Ela também lembrou que o doping pode bater nas portas de todas as equipes, incluindo as do MPCC.

Sem dúvida, duas hipóteses devem ser levadas em consideração para explicar esses muitos casos de doping em 2019: uma retomada do doping é sempre possível. Um direcionamento mais eficaz dos controles também é uma explicação plausível.

O ano de 2019 também foi marcado pela decisão de excluir a Rússia pelos próximos 4 anos de todas as principais competições (Jogos Olímpicos e Campeonatos do Mundo em particular) por ter falsificado os dados de seus controles de doping. Mesmo que essa sanção da AMA, contestada pela Rússia, ainda não tenha sido confirmada pelo Tribunal Arbitral do Esporte, este país também é mais frequentemente destacado em dois esportes distintos: atletismo (21 casos de doping e 9 fraude do gerente) e levantamento de peso (16 casos de doping). Somente esses dois esportes representam 60% dos procedimentos tornados públicos este ano na Rússia.

No lado americano, o futebol americano (39 casos) e o beisebol (27 casos) representam juntos mais da metade dos ataques à credibilidade do esporte. Os Estados Unidos ocupam o primeiro lugar em nosso ranking pelo quarto ano consecutivo, enquanto a Itália, a nação mais afetada da Europa, o quinto em nosso ranking, poderá observar um número de metade do número de procedimentos. revelado em 2019, se compararmos com os dois anos anteriores.

#Doping #UCI

cannondale.png
shimano.png
sa bs.png
MFT.png
CIMTB.png
logoLPH.png
SFEST.png
Fran Logo Branco.png