• Márcio de Miranda

CIMTB: em busca da preservação ambiental os numerais são reutilizados


Ao receber a bandeirada na CIMTB Michelin, os competidores ganham muito mais do que um desafio, eles se colocam junto com o evento no objetivo do Desenvolvimento Sustentável. As placas com os chips são devolvidos para a organização na saída do atleta da prova e passam por um processo de limpeza para serem reutilizados na próxima etapa. Apesar do evento investir financeiramente na mão de obra para a limpeza e na conferência de cada chip, seria mais rentável produzir novas placas, por outro lado, isso iria na contramão de um dos valores da CIMTB Michelin, a preservação ambiental.

Há cerca de cinco anos o evento mantém esse projeto e já deixou de produzir mais de 40 mil placas evitando a geração de lixo. Lembrando que dentre os materiais utilizados na produção estão a PVC, lona, tinta e o chip, que no caso seria lixo eletrônico. Todos estes materiais são tóxicos para a natureza. “Trabalhamos com um esporte que tem a natureza como palco e temos que respeitar o que ela nos proporciona. Portanto, é mais do que sensato mantermos nesse caminho, fortalecendo nossos valores”, afirmou o organizador Rogério Bernardes.

A ação consta no regulamento do evento que ressalta ainda que mesmo o atleta que desistir na pista deve devolver os numerais na secretaria. Caso o competidor não devolva os numerais, ele paga uma taxa extra de R$ 50 na realização da inscrição de uma próxima etapa. “Quando o atleta fica com a placa, não conseguimos reutilizar na próxima etapa, pois temos que reorganizar tudo e acabamos tendo que descartar essa placa e também o chip. Porém, o volume de perda é tão pequeno que gostaria de aproveitar para agradecer e parabenizar os atletas pois sem a ajuda de cada um deles estes resultados não seriam possíveis. E esta taxa de R$ 50,00 praticamente nunca precisamos aplicar”, explicou Rogério


cannondale.png
shimano.png
sa bs.png
MFT.png
CIMTB.png
logoLPH.png
SFEST.png
Fran Logo Branco.png