• Planeta da Bike

Giuliana Morgen retorna da Europa, após se superar no Mundial de XCO


Condições duras em Leogang / Divulgação

A jovem petropolitana Giuliana Morgen, de 17 anos, retorna ao Brasil após participar da Copa do Mundo de MTB na Europa e do campeonato mundial da modalidade. Em ambas as provas, ela disputou contra as melhores do planeta na modalidade que, assim como ela, também se preparam o ano inteiro para estas duas provas.  Na etapa da Copa do Mundo de MTB XCO Juniors, competição realizada no dia 3 de outubro na República Tcheca, ela fechou sua primeira participação na UCI Juniors World Series XCO na Europa em 13º lugar. 


Já no Campeonato Mundial, realizado no dia 8 de Outubro em Loegang, na Áustria, prova na qual ela representou a Seleção Brasileira, Giugiu fechou em 26º lugar. Em ambas as competições a vencedora foi a austríaca Mona Mitterwallner.


Em uma corrida de Mountain Bike Cross-Country Olímpico (XCO), além de estar em excelente forma física e possuir ótimas habilidades de pilotagem com a bike, uma atleta também precisa de outras duas outras importantes características: garra para superar dificuldades e resiliência para não desistir quando as adversidades são muitas. 

Garra e resiliência / Thiago Lemos

Assim, para completar sua participação no Campeonato Mundial de MTB XCO 2020 na categoria Junior, Giugiu teve que lançar mão de todas as suas cartas. Isso porque, na prova realizada na cidade austríaca de Leogang, a chuva constante, o circuito super técnico repleto de lama e as subidas e descidas extremamente inclinadas criaram condições extremamente difíceis para os atletas.


Já prevendo a dificuldade nas subidas, Giugiu optou por trocar sua bicicleta com suspensão integral (Full Suspension), uma Sense Invictus, por uma com suspensão apenas na frente, a Sense Impact Carbon (Hard Tail). Apesar de economizar peso na balança, trata-se de uma bike que exige mais habilidade do piloto nas descidas. 


“Foi uma prova extremamente dura”, afirmou Giugiu. “Tivemos que empurrar a bike em muitas partes do percurso. Tanto na subida quanto na descida”, complementou a atleta que precisou de pouco mais de uma hora e meia para completar as 4 voltas da competição. 


Além de castigar as ciclistas, a lama também maltrata a bike. Ela acaba entrando na corrente, nas marchas e até entre os pneus e o quadro, fazendo com que a bicicleta trave. Por isso, Giugiu teve que fazer várias paradas para tirar a lama de sua Impact Carbon. 

Giugiu recebe apoio da equipe / Thiago Lemos

“Tive que ser muito resiliente. Muitas vezes tive que parar para desentupir a bike. Minha corrente caiu muitas vezes, mas não só a minha. Todas tiveram dificuldades e muita gente desistiu”, afirmou Giugiu. Apesar das dificuldades, Giugiu fechou sua primeira participação em um Campeonato Mundial de MTB XCO satisfeita, com sua vigésima sexta colocação servindo como combustível para seguir evoluindo. 


“Esta prova me animou demais para seguir evoluindo. Agora, é voltar para casa, recuperar o corpo e voltar a focar nos treinamentos”, finalizou Giugiu.


No fim do mês de outubro, a atleta viaja para a cidade paulistana de Mairiporã, onde acontece o Campeonato Brasileiro de MTB XCO. A atleta que já tem dois títulos nacionais e um vice disputa pela primeira vez a principal competição do Brasil na categoria júnior. 

cannondale.png
shimano.png
sa bs.png
MFT.png
CIMTB.png
logoLPH.png
SFEST.png
Fran Logo Branco.png