• Márcio de Miranda

Tour de France e os vencedores não europeus


Egan Bernal e Geraint Thomas na 20ª etapa do Tour 2019 / Divilgação Ineos

O Tour de France aconteceu pela primeira vez em 1903 para aumentar as vendas do jornal L'Auto, atualmente é administrada pela Amaury Sport Organization (A.S.O) . A disputa é realizada anualmente desde sua primeira edição, exceto quando não aconteceu durante as duas guerras mundiais. Ao longo dos anos, o Tour ganhou destaque e popularidade e seu alcance começou a se estender por todo o mundo.


A primeira vez que um não-europeu usou a camisa amarela de líder do Tour de France, foi na quinta etapa da edição de 1981 em Saint-Lary-Soulan, nos Pirinéus. O australiano Phil Anderson, de 23 anos, nascido em Londres, escreveu uma página nos livros de história na subida final da Pla d'Adet, terminando atrás do lendário Bernard Hinault, 27 segundos após o vencedor, Lucien Van Impe, para se tornar o novo líder da corrida. Ele perdeu a camisa amarela no dia seguinte. No ano seguinte, Anderson venceu a longa segunda etapa para Nancy e manteve a liderança por nove dias, terminando o Tour em sexto lugar e como o melhor jovem piloto.

Por quase 80 anos, o Tour de France permaneceu um campo de batalha reservado para pilotos europeus, desde a primeira edição vencida por Maurice Garin, nascido na Itália e francês naturalizado, incluindo o primeiro 'estrangeiro', o Luxemburguês François Faber, vencedoer em 1909. Mas foi a partir da década de 1980 que o Tour se tornou um evento cada vez mais internacional, demonstrado mais uma vez na última edição, vencida por Egan Bernal da Colômbia.

Poucos anos após Anderson usar a sonhada Yellow Jersey, um jovem de 23 anos de Lakewood, Califórnia, se tornou o primeiro ciclista não europeu a fazer o pódio final da Grande Volta. O americano Greg LeMond terminou em terceiro, apenas 1'14 ”atrás de Bernard Hinault e 11'46” atrás de seu capitão, Laurent Fignon, que venceu cinco etapas.

Greg LeMond em ação no Tour / Reprodução Facebook

LeMond tornou-se companheiro de equipe de Hinault e terminou o Tour de France de 1985 logo atrás dele, na segunda posição. Havia outros dois protagonistas não europeus no mesmo ano: os alpinistas colombianos Fabio Parra e Luis Herrera, que venceram uma e duas etapas, respectivamente. O americano LeMond seguia evoluindo e a recompensa veio no ano seguinte, quando conquistou o Tour pela primeira vez. Greg venceu a corrida francesa duas vezes mais, com uma vantagem icônica de 8 segundos em 1989 e novamente em 1990.

A emocionante batalha de classificação geral do Tour de France de 2011 começou logo no primeiro estágio, com pilotos de alto calibre lutando. O vencedor foi o belga Philippe Gilbert, mas o segundo lugar foi para um dos caçadores da GC, o australiano Cadel Evans.

A disputa seguiu dura até o contra-relógio no circuito de 42,5 km em torno de Grenoble. 

O australiano Cadel Evans teve uma performance incrível, terminando apenas seis segundos atrás do especialista Tony Martin da Alemanha e colocando 2'31 ”em Andy Schleck, que perdeu a camisa amarela que acabara de ganhar nas montanhas. Evans se tornou o primeiro vencedor do Tour de France da Oceania, depois de dois segundos lugares em 2007 e 2008, atrás dos espanhóis Alberto Contador e Carlos Sastre.

O primeiro vencedor sul-americano também é o campeão mais recente: o especialista em montanhas, Egan Bernal, de Bogotá, Colômbia. Ele escreveu outra página dos livros de história do ciclismo, tornando-se o terceiro vencedor mais jovem de todos os tempos. Foram 112 anos após a vitória de Lucien Petit-Breton, que morava na Argentina dos 6 aos 20 anos, Bernal iniciou seu ataque à camisa amarela na 18ª etapa vencida por seu compatriota Nairo Quintana. Bernal colocou 32 segundos em seus rivais, incluindo seu colega do Team Ineos, o atual campeão Geraint Thomas da Grã-Bretanha. 

Ele assumiu a liderança da classificação geral (GC) no dia seguinte, quando o júri decidiu interromper a corrida devido a condições perigosas na estrada, e reservou os tempos para a classificação geral no cume do Col de l'Iseran. Ele manteve a camisa amarela até o fim.



O Tour de France ainda aguarda um vencedor da Ásia. O pioneiro Kisso Kawamuro, do Japão, competiu sem equipe em 1926 e novamente em 1927.


Louis Meintjes da NTT Pro Cycling

Já existe um ciclista nascido em solo africano que venceu o Tour, Chris Froome, nasceu em Nairóbi, ele mudou de uma licença Queniana para uma britânica em 2008. Ano após seu estágio no Centro Mundial de Ciclismo (CMC) da UCI para atletas nascidos na África. Em 1910 três ciclistas da Argélia, Raphaël Galiero, Emile Godard e Frédéric Vaillant participaram da Grande Volta, mas eles tinham nacionalidade francesa, pois naquele momento o país era um departamento da França. Ali Neffati, da Tunísia, é reconhecido como o primeiro piloto africano no Tour de France, em 1913. Enquanto isso, o Sul Africano Louis Meintjes, da equipe NTT Pro Cycling, ficou em 8º lugar na Classificação Geral em 2016 e 2017. Ele é considerado o primeiro piloto nascido na África, com uma licença Africana. Será ele o primeiro africano a vencer o Tour de France? A edição deste ano teve a largada adiada devido a pandemia do Covid-19 e o início está marcado para 29 de agosto.


Mapa da edição deste deste ano / Divulgação A.S.O

cannondale.png
shimano.png
sa bs.png
MFT.png
CIMTB.png
logoLPH.png
SFEST.png
Fran Logo Branco.png