• Márcio de Miranda

UCI publica protocolo para ser seguido na retomada da temporada 2020 no ciclismo de estrada


A União Ciclística International (UCI) publicou um protocolo detalhando os procedimentos a serem seguidos, em particular no que diz respeito à saúde e relacionados à pandemia de coronavírus, visando à reabertura da temporada de ciclismo de estrada. Conforme indicado em 5 de maio no anúncio dos calendários revisados ​​para 2020 do UCI WorldTour e o UCI Women's WorldTour, este documento, baseado no trabalho da Organização Mundial de Saúde (OMS) e de uma força-tarefa internacional criada pela World Athletics, é o resultado do trabalho coletivo de um grupo liderado pelo diretor médico da UCI Professor Xavier Bigard e incluindo representantes de ciclistas, equipes, médicos e organizadores de provas, a Comissão Médica da UCI, bem como a CPA Women e Katerina Nash em seu papel de Presidente da Comissão de Atletas da UCI. O protocolo, adotado coletivamente pelas partes implicadas, especifica, de acordo com o nível de gravidade da situação de saúde, medidas obrigatórias, recomendadas e desejadas para diferentes atletas (equipes, organizadores, UCI). Essas instruções e recomendações se aplicam a todas as corridas de homens e mulheres registradas no Calendário Internacional da UCI. Uma versão adaptada dessas ações será estabelecida em breve para outras disciplinas, principalmente as de mountain bike.


Antes de tudo, a UCI e seus parceiros do grupo diretor especificaram o protocolo: 

  • permanece dependente das leis e medidas locais e nacionais em vigor nos territórios que sediam os eventos

  • deve ser compreendido como parte de um processo que visa reduzir ao máximo os riscos associados à pandemia

  • aplica-se principalmente a equipes (atletas e comitivas), uma vez que a gestão do público - exceto em alguns espaços definidos (zonas de largada e chegada) - fica sob as autoridades relevantes

  • será atualizado de acordo com o desenvolvimento da situação mundial da saúde e a evolução do estado do conhecimento científico.

Três princípios gerais estavam na origem do protocolo da organização para competições.

A primeira é que cada equipe (ciclistas, comitiva, médicos) deve formar uma "bolha da equipe". Quando a corrida começa, as bolhas da equipe se juntam para formar uma "bolha de pelotão" que deve aderir às medidas adotadas.

O segundo atende a três níveis da pandemia e varia de acordo com a intensidade:

  • Nível de risco “moderado”, que corresponde à fase 4 das pandemias virais, conforme definido pela OMS, com 20 a 50 casos Covid-19 declarados por semana por 100.000 habitantes

  • Nível de risco “baixo” (fase 3 da OMS ou fase pós-pico da pandemia, correspondendo a menos de 20 casos por 100.000 habitantes)

  • Nível de risco “muito baixo” (fase 1 e 2 da OMS ou fase pós-pandêmica caracterizada pela ausência de casos por um período de 3-4 semanas).

O terceiro estabelece medidas consideradas obrigatórias, recomendadas ou desejadas, de acordo com a gravidade da situação epidemiológica. As medidas obrigatórias em todos os casos incluem a nomeação pelo organizador da equipe responsável pelo protocolo no evento (um coordenador da COVID e um médico da COVID), a triagem dos pilotos por suas equipes (antes e durante as competições), a adaptação por o organizador das zonas de risco (registro, zonas de alimentação, cerimônia de premiação) e o respeito do princípio da “bolha” preventiva pelas equipes em suas acomodações e quando viajam.


As medidas são implementadas de acordo com o momento da competição (ações antes, durante e depois da corrida).


Antes da corrida, principalmente com a nomeação de um coordenador da COVID que faz parte do Comitê Organizador e a aplicação de regras de acomodação nos hotéis compatíveis com o respeito da bolha da equipe.


Também durante os dias anteriores ao evento, serão implementadas medidas relativas, entre outras, a uma estratégia de triagem para portadores do vírus que são saudáveis. Com os cavaleiros e funcionários formando uma bolha da equipe, é necessário verificar previamente a ausência de portadores assintomáticos e saudáveis ​​do vírus. Um programa de teste com o objetivo de detectar todos os portadores do vírus deve, portanto, ser implementado pelas equipes.


Durante a corrida, os pilotos seguirão um protocolo de monitoramento médico diário. Serão impostas medidas de distanciamento social entre a bolha do pelotão e a equipe, por um lado, e a equipe organizadora, a mídia e o público, por outro. Apesar de todas as medidas de prevenção, o gerenciamento de um caso suspeito de COVID-19 durante a corrida deve ser planejado para. Nesse caso, o médico da equipe faz contato direto com o médico COVID dedicado da equipe médica do organizador; este COVID Doctor direcionará o paciente ao centro COVID mais próximo ou a um serviço especializado. As medidas obrigatórias impostas de acordo com as regras nacionais serão aplicadas tanto aos “casos suspeitos” quanto aos que estiveram em contato próximo com essa pessoa. Todas essas medidas representam simplesmente uma aplicação estrita dos regulamentos de saúde em vigor no país, que por sua vez se baseiam nas regras impostas pela OMS. Os organizadores devem informar todas as equipes participantes do protocolo detalhado aplicado pelas autoridades de saúde e especificar as condições de isolamento e identificação da saúde das pessoas em contato com a transportadora.


Após a corrida, as ações envolvem principalmente uma adaptação dos organizadores da cerimônia de premiação. Finalmente, o protocolo relativo ao pessoal antidopagem (como é o caso dos oficiais de corrida) será de responsabilidade da UCI.


O presidente da UCI, David Lappartient, declarou: “Esse protocolo de instruções e recomendações é fundamental, principalmente para as equipes e organizadores, com vistas à retomada das corridas de bicicleta. Estou muito satisfeito com o espírito de colaboração entre os diferentes membros do grupo diretor liderado pelo professor Bigard e com o desejo deles de encontrar soluções eficazes que permitam que este documento seja produzido em pouco mais de um mês. Essas medidas permanecem dependentes das leis e medidas nos diferentes países anfitriões e podem precisar ser adaptadas, mas esse protocolo é outro passo para o retorno à vida de nosso esporte. Após o anúncio dos calendários, agora temos a estrutura que permitirá aos corredores competir novamente. Agora, continuaremos nosso trabalho adaptando esse protocolo de ações para outras disciplinas além da estrada, principalmente mountain bike, O documento completo em inglês, está disponível aqui.

cannondale.png
shimano.png
sa bs.png
MFT.png
CIMTB.png
logoLPH.png
SFEST.png
Fran Logo Branco.png