MPCC critica participação da equipe Vini-Zabù no Giro, após segundo caso de doping em 12 meses


Seja qual for a quantidade de recursos alocados para a luta contra o doping, alguns ciclistas ainda optarão por trapacear. Porém, esta simples observação não é um fio condutor para a credibilidade do ciclismo. No entanto, quando esses eventos ocorrem várias vezes, ano após ano, dentro da mesma equipe, e quando as instituições não conseguem quebrar o ciclo, isso representa um golpe terrível para a credibilidade do ciclismo.


A equipe Vini-Zabù nos deu um exemplo notável esta semana, já que um de seus pilotos foi provisoriamente suspenso pela UCI por doping presumido (EPO). Claro, como o processo ainda está em andamento, devemos ter cautela enquanto aguardamos os resultados da segunda amostra. Porém, os casos anteriores não são motivo para otimismo. Os casos mais recentes aconteceram há menos de um ano.


Esta equipe italiana, que apareceu no pelotão em 2009, foi alvo de 9 casos de dopagem nos últimos 12 anos. As substâncias incriminadas são sempre os mesmos produtos ​​bem conhecidos (5 casos de EPO, 2 casos de hormônios de crescimento, 1 caso de Clenbuterol, 1 caso de Ostarine).


O Movimento Pela Credibilidade no Ciclismo (MPCC) lembra que a equipe Vini-Zabù fez parte do movimento por pouco tempo em 2014. Pouco depois, apesar de dois casos de doping em menos de um ano, a equipe decidiu que não era relevante se comprometer com as regras do movimento, as mesmas que todos os membros cumprem. A equipe foi imediatamente suspensa e mais tarde foi excluída do movimento durante a Assembleia Geral de outubro de 2015.


Desde sua criação em 2007, o MPCC estabeleceu um princípio que hoje é chamado de “introspecção voluntária” quando uma equipe enfrenta vários casos de dopagem em um curto período de tempo. Quatorze anos depois, este princípio permanece o mesmo: os membros da equipe se comprometem a interromper a atividade de todos os seus pilotos por 8 dias ou um mês inteiro, dependendo se enfrenta um segundo caso de doping em 12 meses, ou um terceiro caso em 24 meses.


Em 2016, esse preceito do MPCC acabou convencendo a UCI a endurecer suas próprias regras, já que suas regras antidopagem agora incluem a abertura de um processo que pode levar a uma suspensão de 15 ou 45 dias de uma equipe quando ocorrerem dois casos de dopagem em um período de 12 meses.


Se a UCI assim o considerar, existe um risco genuíno para Vini-Zabù perder o Giro, uma corrida pela qual recebeu novamente convite para participar. Desde 2009, a equipe é dirigida pelas mesmas pessoas, Angelo Citracca e Luca Scinto. Já estavam no comando quando cada um dos 9 processos foi aberto contra a seleção italiana. No entanto, alguns organizadores ainda confiam neles.


Este novo caso é mais um elemento de apoio a declaração proferida durante a Assembleia Geral de 2 de março passado; o movimento se surpreendeu com o fato de o Giro de Itália ter atribuído um Wild Card a uma equipa que teve um teste positivo na última edição. Dos nove casos envolvendo pilotos Vini-Zabù, quatro deles estavam diretamente relacionados ao Giro, que parece não guardar rancor, pois ainda concedeu 11 Wild Cards à equipe nos últimos 13 anos.


O MPCC reage fortemente hoje, pois os membros do seu Conselho consideram relevante defender a integridade dos seus membros (equipas e ciclistas) e apoiar a sua escolha voluntária para restaurar a imagem do ciclismo, comprometendo-se com regras mais rígidas. O movimento lamenta profundamente que o grupo RCS, organizador do Giro de Itália, ainda não pareça se importar ou reagir e nem dar qualquer explicação sobre suas escolhas. Como eles enfrentam mais um processo de doping, esperamos que a RCS assuma a responsabilidade pelo futuro, embora os organizadores italianos já tenham todas as cartas para fazê-lo após o Giro 2020.

Siga o Planeta da Bike
  • Grey Facebook Ícone
  • Grey Twitter Ícone
  • Grey Instagram Ícone
  • Cinza ícone do YouTube
Nosso canal no Youtube
cannondale.png
shimano.png
sa bs.png
MFT.png
CIMTB.png
SFEST.png
Fran Logo Branco.png