top of page

Mundial de Paraciclismo de Pista: conheça as classes e provas da competição que começa na próxima quarta no Rio


Paraciclismo de Pista / Marco Antonio Teixeira/CBC

Pela segunda vez, o Velódromo do Rio de Janeiro será a casa do mais importante torneio de paraciclismo do mundo. A pista de 250 metros, que abrigou quebras de recordes em 2018 e ficou conhecida como uma das mais rápidas do mundo, terá 287 atletas - entre eles, 25 brasileiros - buscando o pódio do Campeonato Mundial de Paraciclismo de Pista a partir da próxima quarta-feira (20). Os competidores batalham, além das medalhas, pela última chance de conquistar os pontos necessários para carimbar a ida aos Jogos Paralímpicos de Paris 2024.


Regidas pela União Ciclística Internacional (UCI) e pelas confederações nacionais, as disputas do Paraciclismo dividem-se em duas grandes disciplinas: eventos de estrada e de pista. Nos de estrada, todas as categorias estão contempladas, reunindo os atletas com paralisia cerebral, que competem em triciclos (classes T1 e T2), atletas com lesão medular e amputação, que competem em handbikes (classes H1 a H4), deficientes visuais (Tandem), que competem com o apoio de atletas-pilotos, e aqueles com algum nível de deficiência físico-motora (classes C1 a C5).


Nos eventos de pista, como é o caso do Mundial, competem apenas as categorias Tandem e Classes C. Estes últimos são alocados em suas respectivas classes, de 1 a 5, por meio da avaliação médica funcional. Quanto mais alta a classe, mais baixo é o grau de comprometimento físico-motor.


Nesta edição, há 218 atletas e 69 atletas-pilotos, um recorde na história da competição. Ao todo, serão 50 categorias de disputa - 24 femininas, 24 masculinas e duas mistas. Destas, sete são da classe Tandem e 43 das classes C.



Confira abaixo as provas que serão disputadas no Campeonato Mundial de Paraciclismo de Pista 2024:


- Individual pursuit (perseguição individual)


Nesta corrida, dois atletas largam em pontos opostos da pista, percorrendo uma distância de 3 km (para mulheres e homens das classes C1 a C3) ou 4 km (para homens das classes Tandem, C4 e C5). Vence quem obtiver o menor tempo ou alcançar seu adversário (ou seja: quando seu pedal alcançar o pedal da bicicleta do oponente).


Categorias: Tandem feminino, Tandem masculino, C1 a C5 femininos e C1 a C5 masculinos.


- 1 km time trial (contrarrelógio de 1 km)


Nesta prova, o atleta entra sozinho na pista e vence quem completar o percurso de 1 km em menos tempo.


Categorias: Tandem feminino, Tandem masculino e C1 a C5 masculinos.


- 500 m time trial (contrarrelógio de 500 m)


Nesta prova, a atleta entra sozinha na pista e vence quem completar o percurso de 500 m em menos tempo.


Categorias: C1 a C5 femininos.


- Sprint (corrida de velocidade)


Corrida curta e intensa em que ambos largam no mesmo ponto da pista e vence quem terminar o percurso primeiro. A disputa começa com uma fase classificatória em que cada dupla no Tandem tenta completar o percurso de 200 m em menos tempo (Flying 200). Os quatro mais rápidos encaram uma semifinal disputada em melhor de três. Os vencedores se enfrentam pelo ouro e os semifinalistas eliminados disputam o bronze.


Categorias: Tandem feminino e Tandem masculino.


- Mixed tandem team sprint (Corrida Mista de velocidade por equipes Tandem)


É uma corrida de velocidade disputada num percurso de 750 m por equipes Tandem que podem ser formadas por homens e mulheres. Apesar do nome, a prova é mais parecida com a perseguição individual do que com o sprint individual. Duas equipes (cada uma formada por dois atletas e dois atletas-pilotos) se posicionam em pontos opostos da pista. Vence quem fizer o menor tempo.


Categoria: Tandem misto.


- Team sprint (Corrida de velocidade por equipes)


É uma corrida de velocidade disputada num percurso de 750 m (três voltas) por equipes mistas tanto em classes quanto em naipes (uma mesma equipe pode ter homens e mulheres de classes diferentes de C1 a C5). Cada classe tem uma pontuação diferente: os atletas de classes de menor comprometimento valem mais pontos e uma equipe não pode ultrapassar os 10 pontos, o que mantém o equilíbrio. Apesar do nome, a prova é mais parecida com a perseguição individual do que com o sprint individual. Duas equipes de três atletas cada se posicionam em pontos opostos da pista. Ao fim de cada volta, o atleta que lidera abre caminho para que o próximo ciclista da equipe assuma a ponta. Vence quem fizer o menor tempo.


Categoria: Classes C misto.


- Scratch


Prova individual em que os ciclistas partem juntos de um mesmo ponto, em pelotão, e vence quem concluir o percurso primeiro. A agenda masculina prevê qualificatórias de 7,5 km, caso sejam necessárias, e 15 km na fase final. A feminina começa já nas finais com um percurso de 10 km.


Categorias: C1 a C5 femininos e C1 a C5 masculinos.


- Omnium


É a combinação de um combo de quatro corridas: contrarrelógio, perseguição individual, scratch e flying 200 m. Vence quem somar mais pontos no final. À exceção do Flying 200, prova curta e intensa em que vence quem percorrer em menos tempo o percurso de 200 m, as outras pontuações vêm das disputas já realizadas nas respectivas categorias.


Categorias: C1 a C5 femininos e C1 a C5 masculinos.


- Eliminação (disciplina de exibição)


Nesta disputa, os atletas largam todos juntos, em pelotão. A cada duas voltas, o último atleta é eliminado, até restarem apenas dois, que disputam a primeira colocação. Esta prova separa os ciclistas apenas por gênero. Assim como no Team Sprint, não há divisão por classes. No Mundial, essa disciplina ocorre em modo de exibição - isto é, é apenas amistosa e não vale título.


Categorias: Classes C femininas e Classes C masculinas.


Programação das provas na íntegra: clique aqui.

Commentaires


Siga o Planeta da Bike

  • Grey Facebook Ícone
  • Grey Twitter Ícone
  • Grey Instagram Ícone
  • Cinza ícone do YouTube

Nosso canal no Youtube

bottom of page