Remco Evenepoel conquista o Mundial de Estrada da UCI e fecha ano mágico


Renco comemorando a conquista / Divulgação UCI

O Campeonato Mundial de Estrada da UCI de 2022 em Wollongong, Austrália, chegou ao seu final no domingo (25) com a corrida de estrada da Elite Masculina. A chuva e as nuvens cinzentas do dia anterior se dissiparam, o que significa que os pilotos foram recebidos por sol e céu azul. À frente dos melhores do mundo estão 266,9 km, compreendendo 12 voltas no circuito Wollongong, incluindo 3.945 m de escalada. O belga Remco Evenepoel fez jus ao seu favoritismo antes da corrida com uma vitória dominante.


A corrida começou com a desistência antecipada de um dos favoritos da pré-corrida, o holandês Mathieu Van der Poel, com 230km. Ele havia se envolvido em uma briga na noite anterior com adolescentes fazendo barulho do lado de fora de seu quarto no hotel de sua equipe.


A cinco voltas do final, a intensidade da corrida aumentou com ataque após ataque do grupo separatista e do pelotão. A corrida se dividiu novamente com um grupo principal composto por Romain Bardet (FRA), Pascal Eenkhoorn (NED), Remco Evenepoel (BEL), Quinten Hermans (BEL), Jai Hindley (AUS), McGill, Quentin Pacher (FRA), Neilson Powless (EUA), Jaka Primozic (SLO), Lorenzo Rota (ITA), Mauro Schmid (SUI), Pavel Sivakov (FRA), Mattias Skjelmose (DEN), Rasmus Tiller (NOR), Jan Tratnik (SLO) e Ben Tulett ( GBR).



Então, com duas voltas restantes, Evenepoel, cheio de confiança após sua recente vitória na Volta a Espanha, lançou um ataque de longa distância. Foi brutal e apenas Alexey Lutsenko, do Cazaquistão, foi com o belga.

A 27 km do fim, a dupla tinha 21 segundos de vantagem sobre o grupo de perseguição de Eenkhorn, Mattias Jensen (DEN), Lorenzo Rota (ITA) e Mauro Schmid (SUI). O pelotão principal, incluindo Wout van Aert (BEL), Tadej Pogačar (SLO) e Julian Alaphilippe (FRA), estava a mais de 2min30s. “Depois de uma temporada super longa, é incrível terminar assim”, disse Evenepoel após a corrida. “Estou super feliz com o resultado. [No final] me senti mais forte que Lutsenko. Mas a última subida foi super difícil; Eu podia sentir que minhas pernas iam explodir, mas felizmente é uma longa descida a partir daí.”

“Nós corremos como uma equipe hoje”, continuou ele. “Foi a minha chance de ir mais cedo. Wout [van Aert] seria de um sprint. Merecemos isso como equipe. Nesta temporada ganhei um Monumento [Liège-Bastogne-Liège], Grand Tour [La Vuelta] e agora o Mundial. Isso pode nunca mais acontecer. Será uma grande festa esta noite. Eu não vou ver minha cama.”

Siga o Planeta da Bike
  • Grey Facebook Ícone
  • Grey Twitter Ícone
  • Grey Instagram Ícone
  • Cinza ícone do YouTube
Nosso canal no Youtube