WADA emite relatório sobre investigação relacionada ao doping no ciclismo britânico



O Departamento de Inteligência e Investigações (I&I) independente da Agência Mundial Antidopagem (WADA) publicou seu relatório resumido após uma investigação sobre as alegações de que, em 2011, a Agência de Antidopagem do Reino Unido (UKAD) permitiu que a Federação de Ciclismo Britânica (British Cycling) analisasse amostras de atletas em particular, usar um laboratório não credenciado pela WADA, para fins de triagem de substância proibida.


A investigação da WADA I & I, conhecida como 'Operação Echo', foi lançada em março deste ano após relatos da mídia sobre alegadas irregularidades na British Cycling e no UKAD.


'Operação Echo' confirmou que em fevereiro de 2011, aconteceu um estudo sobre a contaminação potencial de suplementos, a British Cycling coletou amostras de pilotos de elite e examinou essas amostras para o andrógeno e esteroide anabolizante, nandrolona. Ao contrário das regras estabelecidas pelo Código Mundial Antidopagem e do Padrão Internacional relevante, as amostras foram coletadas pela equipe da Federação Britânica de Ciclismo, em vez de oficiais de controle de doping, analisadas por um laboratório não credenciado pela WADA e fornecidas para os atletas. Desta forma a Agência de Antidopagem do Reino Unido nunca saberia os resultados.


A 'Operação Eco' também encontrou pelo menos um funcionário da Agência estava ciente do estudo e que as amostras poderiam ser coletadas e analisadas em um laboratório não credenciado pela WADA. Até hoje, o UKAD não tem registro de recebimento dos resultados da análise e e-mails.


O Diretor de I&I da WADA, Gunter Younger, disse: “A 'Operação Echo' confirmou possíveis atos ilícitos cometidos por indivíduos da Agência de Antidopagem do Reino Unido naquela época. Após esta investigação, uma cópia de relatório foi fornecida ao Departamento de Conformidade, Regras e Padrões da WADA para sua consideração. Além disso, o relatório resumido foi fornecido à União Ciclística International (UCI) e ao Departamento de Digital, Cultura, Mídia e Esportes do Reino Unido, para atenção.


“A 'Operação Eco' não faz recomendações corretivas, uma vez que os envolvidos nos eventos de 2011 não são mais empregados da da Agência de Antidopagem do Reino Unido e já foram implementadas salvaguardas para evitar uma ocorrência repetida. É importante reconhecer que a WADA I&I recebeu total cooperação e transparência da da Agência de Antidopagem do Reino Unido ao longo da investigação. ”


A 'Operação Eco' também investigou duas outras alegações, que a Agência de Antidopagem do Reino Unido havia divulgado os dados do passaporte biológico do atleta para a Federação Britânica de Ciclismo em 2016; e que a agência antidopagem havia permitido que dois atletas , que estavam promovendo uma defesa de suplementos contaminados após Resultados Analíticos Adversos, testassem privadamente os produtos em questão, e que o UKAD havia aceitado os resultados da análise resultante na audiência antidoping subsequente. A 'Operação Eco' não encontrou evidências para sustentar essas alegações.

Siga o Planeta da Bike
  • Grey Facebook Ícone
  • Grey Twitter Ícone
  • Grey Instagram Ícone
  • Cinza ícone do YouTube
Nosso canal no Youtube